Porto Velho (RO) domingo, 19 de setembro de 2021
×
Gente de Opinião

Viviane Paes

Quando o seu “saber” ofende muito!


Quando o seu “saber” ofende muito! - Gente de Opinião

O Brasil é país miscigenado, onde culturas de quase todo o mundo se misturam... Onde sotaques denunciam qual região você nasceu; onde veículos definem o status social, mesmo sendo na sua maioria financiados com altíssimos juros; onde o tamanho da residência e quantidade de banheiros é vistos como sinônimo de “riqueza”, pela classe media baixa; onde roupas de marcas – mesmo as falsificadas, induzem um vendedor de loja a definir como atenderá o cliente; onde pagar escola particular para os filhos é sinal de “boçalidade”...

O irônico é que o grau de instrução de uma pessoa por aqui é motivo de preconceito nada velado! Se você é graduado, tem alguma pós, está fazendo mestrando ou tem um doutorado ouviu em algum momento da longa jornada algo do tipo:

­- Nossa estudou tanto e ganha tão mal!

- Do que adianta você estudar e “ser” burro, não consegue ter sucesso!

- Eu ganho mais com ensino fundamental e você com canudo tá desempregado!

Essa semana, um comentário mordaz de uma vizinha da situação de uma conhecida me fez relembrar um livro fantástico que li aos 22 anos: Calilla e Dimna. A dita pessoa despejava veneno, literalmente: - “Pra que fulana estudou tanto se é uma jumenta que não consegue nem recuperar de uma depressão!”. Isso mesmo que você leu!! A associação da formação acadêmica de uma pessoa padecendo da doença do século utilizada de uma forma grosseria e de muita ignorância.

O livro citado acima é uma coletânea de contos e fábulas de caráter político e moral, que influenciaram gerações por toda Europa, Ásia e África. Parte dele vem de um manuscrito indiano, redigido em sânscrito chamado Panchatantra, onde provérbios e fábulas são narradas por dois chacais, Calilla e Dimna.

A obra traz provérbios conhecidos e muitos desconhecidos, um deles é perfeito para o contexto desse artigo: O conhecimento melhora a condição de quem quer aprender! Hoje, tal consideração é compreendida exclusivamente como uma forma de “ascensão social”, ou seja, o conhecimento obtido por meio de instrução formal – de preferência a universitária, só tem sentido se “servir” economicamente e socialmente!

Mas, antigamente, e atualmente, em países realmente onde o “saber” tem peso diferente do brasileiro, o conhecimento era motivo de autoconhecimento e principalmente humildade. Quanto mais estudamos temos a consciência do quanto nada sabemos! O famoso: Só sei que nada sei, do filósofo grego Sócrates.

Durante parte dos séculos 19 e 20, acreditou-se que a inteligência podia ser facilmente medida, determinada e comparada através de testes como o famoso de QI. Ele começou a torna-se irrelevante quando perceberam que nem sempre as pessoas mais inteligentes e bem sucedidas obtinham os melhores resultados.

Psicólogos e pesquisadores notaram alguns casos de pessoas que obtinham resultados medíocres nos testes de QI, mas se davam bem na vida, pois eram determinadas, disciplinadas, persistentes e até carismáticas!

A partir daí, o psicólogo Howard Gardner criou a teoria dos Sete tipos de Inteligência:

·       Inteligência Linguística

·       Inteligência Lógica

·       Inteligência Motora

·       Inteligência Espacial

·       Inteligência Musical

·       Inteligência Interpessoal

·       Inteligência Intrapessoal

 

Fonte: https://www.guiadacarreira.com.br/carreira/7-tipos-de-inteligencia/

Além das citadas acima, o mundo corporativo utiliza os quocientes QI e QE (Quociente Emocional descreve a capacidade de reconhecer e avaliar os seus próprios sentimentos e os dos outros, assim como a capacidade de lidar com eles).

Recentemente surgiu o quociente QA (Quociente da Adaptabilidade não é apenas a capacidade de absorver novas informações, mas de descobrir o que é relevante, deixar para trás noções obsoletas, superar desafios e fazer esforço consciente para mudar. O QA envolve características como flexibilidade, curiosidade, coragem e resiliência...).

Quando iniciei minha vida acadêmica comecei a “me achar” um pouco, felizmente esse achismo acabou no primeiro semestre do curso de Letras-Espanhol da Unir. O bombardeio de informações, livros, filósofos, teses e aulas com mestres, doutores e pós-doutores fez com que eu entendesse a máxima, do sei que nada sei!

Com o tempo veio, um MBA, uma especialização na Espanha, depois de uma longa pausa no estudo acadêmico, estava só nas capacitações profissionais, busco um mestrado de educação ou comunicação. Estudando o conteúdo para prova me senti “burra” e novamente descubro que tenho muito a aprender!

Como está escrito em alguma parte de Calilla e Dimna: “O Saber esclarece a inteligência, assim como a luz que ilumina as trevas”, ou “Só é de proveito o saber que se usa. O saber só se perfaz com o fazer. O saber é a árvore; a obra, o fruto. Se não se usa o que se sabe, não há benefício”...

Estou tentada a comprar um novo exemplar desse livro de fábulas e presentear minha vizinha... Aí lembro que ela não é dessas que perde tempo lendo, o negócio e trabalhar “que nem mula, sem tempo para pensar demais e ficar deprimida”...

Tristeza quando você é obrigada a deixar alguém nas trevas da ignorância...

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Viviane Paes

Caminhando e... Estressando?! Então reiniciamos as caminhadas

Caminhando e... Estressando?! Então reiniciamos as caminhadas

Então reiniciamos as caminhadas ao livre, pois segundo os especialistas em saúde, os coaches do bem estar, os profissionais de educação física essa

Paralímpiadas de Tóquio: 253 atletas brasileiros competindo

Paralímpiadas de Tóquio: 253 atletas brasileiros competindo

Praticar esportes é superar o limite de seu próprio corpo diariamente. Competir é superar a si mesmo e os adversários. Fazer tudo isso sendo portado

27 de julho: Todo dia deveria ser Dia de prevenção aos acidentes de trabalho

27 de julho: Todo dia deveria ser Dia de prevenção aos acidentes de trabalho

A Organização Internacional do Trabalho (OIT) colocou o Brasil em quarto lugar no ranking mundial de acidentes fatais ocorridos no ambiente de traba

Você já pensou como será o mundo pós-Covid19?

Você já pensou como será o mundo pós-Covid19?

Nos primeiros meses de 2021, pequenas e  medias empresas geravam mais de 60 por cento dos empregos na América Latina e delas dependem milhões de pess