Porto Velho (RO) terça-feira, 11 de maio de 2021
×
Gente de Opinião

Artigo

Kibutz: a implantação dos assentamentos rurais


Kibutz: a implantação dos assentamentos rurais - Gente de Opinião

Estudei em Israel em 1969, portanto, apenas dois anos após a chamada Guerra dos Seis Dias; Israel como nação soberana foi instituída em 1948 em memorável Assembleia da ONU, presidida pelo diplomata Osvaldo Aranha, daí o respeito e admiração expendidos em todas as ocasiões ao povo brasileiro pelo israelenses, senti isso lá.

Após a sua delimitação e sua instalação a Autoridade de Israel sempre foi questionada pelas populações árabe e mulçumana. Sempre teve de se preocupar com a segurança interna de seu povo e com a manutenção das conflituosas fronteiras.

A partir de 1948 e com a oficialização da criação do Estado de Israel, judeus do mundo todo (inclusive do Brasil) acorreram àquele novo país com o objetivo de ali se estabelecerem e terem condições de viverem uma nova vida com horizontes mais definidos e terem um pouco de paz e sossego.

As autoridades israelenses tinham como fundamental encontrarem opções para acomodar toda essa gente.

Assim conceberam várias alternativas com essa finalidade, e uma delas foram os assentamentos rurais nas planícies e nos desertos.

Na concepção inicial, esses assentamentos tinham três funções principais: destinar espaços para acolher e assentar as populações que ali chegavam do mundo todo; propiciar a produção de alimentos; e o principal, que era o de ocupar aquelas fronteiras e aqueles vazios com pessoas que além de produzirem alimentos pudessem funcionar como bastiões avançados nos postos de segurança nas fronteiras recém estabelecidas.

Assim é que implantaram vários kibutz, assentamentos rurais, onde as terras continuavam pertencendo ao Estado e a convivência entre os participantes se fizesse em forma de “cooperativa” onde ninguém de per si era dono de nada, mas todos se beneficiavam dos resultados econômicos e sociais obtidos, através também, do trabalho coletivo.

Esses kibutz responderam significativamente com o abastecimento e com a alimentação de Israel, bem como permitiram o estabelecimento pleno da autonomia sobre aquelas terras e fronteiras sempre contestadas pelos vizinhos árabes e mulçumanos.

O kibutz pode ser considerado o melhor exemplo de convivência coletiva, produtiva e pacífica entre pessoas (homens e mulheres) do mundo todo.

Bem diferente da balbúrdia generalizada que imperava nos povoados árabes e muçulmanos vizinhos.

Em Israel, à mercê dessas dificuldades iniciais, tinha uma vontade e uma férrea disciplina de seu povo a aposta certa para se estabelecer como Nação autônoma, soberana e progressista em meio àquele caos generalizado que até hoje impera no Oriente Próximo.  

E nesse particular o kibutz teve papel preponderante!

Visitei alguns deles, inclusive um de predominância de judeus egressos do Brasil.

Esses kibutz se desenvolveram de tal sorte, que uma boa parte deles, tornaram-se verdadeiros núcleos onde se processaram as melhores experiências de produção agrícola de que se tem notícias até hoje, em regime comunitário!

Foram e são pioneiros em várias tecnologias de produção de alimentos e hoje sobram excedentes que exportam, principalmente, para a Europa!

                                                                  

Ji-Paraná, abril de 2021.

Assis Canuto

Mais Sobre Artigo

A Ponte da Liberdade

A Ponte da Liberdade

Dia 07.05.2021, foi mais um dia para ser registrado na bela história de Rondônia. Foi inaugurada pelo Presidente Jair Bolsonaro a ponte (1.550m) sob

Vantagens de seguir carreira militar

Vantagens de seguir carreira militar

Há estudantes que ficam em dúvida sobre se devem seguir uma carreira militar ou não. Muitos estão focados em fazer uma graduação. Porém, eles se esque

Indenização de 50 mil reais para os profissionais da saúde que atuaram no combate a COVID-19

Indenização de 50 mil reais para os profissionais da saúde que atuaram no combate a COVID-19

Com o advento da Lei nº 14.128/2021 publicada em 26 de março, os profissionais de saúde que atuaram na linha de frente do combate a pandemia do novo

Acelerar a velocidade da vacinação é salvar vidas

Acelerar a velocidade da vacinação é salvar vidas

Embora seja uma providência interessante a adotado pela Prefeitura de Porto Velho de adaptar o aplicativo SASI, que já existia no município de Manau