Porto Velho (RO) sexta-feira, 21 de janeiro de 2022
×
Gente de Opinião

Opinião

“A liberdade está no HIJAB” apregoa o Conselho da Europa!


“A liberdade está no HIJAB” apregoa o Conselho da Europa! - Gente de Opinião

A União Europeia implementa símbolos de submissão!

 

Esta campanha institucional do Conselho da Europa a favor do lenço islâmico (Hijab) foi mais uma tentativa de vender o símbolo da submissão da mulher como indicativo de liberdade ("A beleza está na diversidade como a liberdade está no hijab") e ao mesmo tempo de promover a cultura tradicional islâmica no meio ocidental!

A ideia não veio do presidente turco, Erdogan; o mais grave e sintomático é que ela partiu de genuínos representantes da União Europeia que parecem dispostos a apostar na “emancipação” de tudo e de todos até conseguirem a particularização de todos e deste modo serem mais facilmente dominados porque reduzidos ao género neutro! Vivemos num tempo de palavras mágicas que a tudo obrigam e até a razão subjugam!

Nada acontece por acaso! Ou será que Bruxelas perdeu a cabeça?

O bom senso levou Estrasburgo a parar a controversa campanha e a apagar os tweets referentes a ela (1).

Em termos culturais, este permanece um aviso sério sobre o que move os nossos deuses do olimpo europeu nos corredores de Bruxelas e de Estrasburgo!

Seria totalmente impensável que o Conselho da Europa tomasse a iniciativa de fizer uma tal propaganda em favor de símbolos cristãos (2)!

Que tolerância é esta que para defender o islão toma ao mesmo tempo medidas para desmontar valores cristãos! Surpreendente é a atitude descarada que já usam de, para valorizarem uma cultura, se sintam na necessidade de desvalorizarem a outra!

Chegamos ao cúmulo dos representantes de uma democracia, porque depravada, se sentirem já à-vontade para aplainarem o caminho da teocracia islâmica (Muitas portadoras do lenço islâmico são símbolo de um islão gueto, mais radical! Que as mulheres tenham a liberdade de usarem ou não o véu é uma evidência do seu direito privado, mas que instituições como a EU defendam hábitos impostos pelo domínio cultural e pelos seus homens é indigno de uma Europa com tal nome)! De facto, algo de comum têm: oligarquia e teocracia não andam muito longe uma da outra!...

Políticos europeus não tomam a sério os temores dos cidadãos nativos e em contrapartida empenham-se em fortalecer os interesses muçulmanos e deste modo fomentam uma política multicultural que se revela nefasta para uma sociedade que se deveria basear na solidariedade e na interculturalidade.

Em vez de criarem medidas de precaução e inserção fazem propaganda pela estratégia de afirmação do gueto islâmico. Pensam que, deste modo, dominarão o sentir ocidental e, para os seus intuitos de poder,  lhes bastará conseguirem criar uma relação de superioridade mais fácil com súbditos contribuintes, com grupos dispersados e cidadãos à deriva; com isto colocam a democracia em jogo porque quando se derem conta, as próprias regras democráticas ajudam os novos cidadãos a afirmar-se de maneira legitimada e incondicional!

O cartaz de reclame da Conselho apresentava uma fotomontagem de uma jovem mulher sorridente usando um lenço de cabeça cor-de-rosa com uma capa larga num quadro e dizeres como: "A beleza está na diversidade como a liberdade está no hijab”!

 

A propósito da liberdade do lenço: em 2018 a advogada Nasrin Sotoudeh foi condenada a 148 chicotadas e 38 anos de prisão no Irão porque apoiava mulheres que protestavam contra a imposição do véu na cabeça (HNA, 17.12.2021). Infelizmente, permanece em aberto a questão de quanta liberdade e quanta coerção e opressão estão associadas ao véu de cabeça.

No Islão, os testemunhos dos homens têm mais peso do que os das mulheres, e as mulheres não estão autorizadas a ter mais do que um marido, embora os representantes do Islão afirmem que homens e mulheres têm direitos iguais no Islão.

Uma religião que difama pessoas de outros credos como infiéis é intolerante e injusta. A verdadeira mulher muçulmana não sai de casa, e se sair, deve sair de maneira não atractiva. Isto também significa que os homens são geralmente, quase por natureza, agressores sexuais e as mulheres devem prevenir isto. Na Jordânia, as pessoas são liberais em relação ao véu da cabeça. No Irão e na Arábia Saudita, as mulheres estão a tentar livrar-se da cobertura obrigatória... Aqui a religião é usada para opressão das mulheres e SUA subjugação a interesses. Sura 24:31 e 33, versículo 59 refere que o peito deve ser coberto... e "as esposas dos crentes, elas devem puxar para baixo algo da sua cobertura sobre si mesmas". Portanto, é mais provável que sejam reconhecidos e não sejam molestados". A sura fala sobre as mulheres casadas que cubram os seus seios e não fala do lenço de cabeça...

 

Os nossos políticos andam inquietos e parecem não estarem dispostos a esperar que os costumes surjam e se imponham de baixo para cima!

António CD Justo

Pegadas do Tempo, https://antonio-justo.eu/?p=6954

 

Mais Sobre Opinião

Votar através do Correio - Uma alternativa que a legislação não consente aos portugueses + Filhos têm o direito de saber quem é o pai biológico

Votar através do Correio - Uma alternativa que a legislação não consente aos portugueses + Filhos têm o direito de saber quem é o pai biológico

VOTAR ATRAVÉS DO CORREIO – UMA ALTERNATIVA QUE A LEGISLA ÇÃO NÃO CONSENTE AOS PORTUGUESESAtraso de vida! O voto pelo correio ou voto antecipado por

O João Paulo de hoje é o mesmo de 19 anos atrás

O João Paulo de hoje é o mesmo de 19 anos atrás

No dia 20 de janeiro de 2003, portanto, há 19 anos, uma emissora de televisão local mostrou um homem, deitado em uma maca, num dos corredores do hos

Prevaleceu o bom-senso

Prevaleceu o bom-senso

Pressionado por servidores federais, que ameaçaram paralisar suas atividades caso o presidente Jair Bolsonaro insistisse na ideia estapafúrdia de da

Servidores de primeira e de segunda classe

Servidores de primeira e de segunda classe

Informações dão conta de que o presidente Jair Bolsonaro, orientado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, estaria propenso a conceder reajuste sa