Porto Velho (RO) sexta-feira, 7 de maio de 2021
×
Gente de Opinião

Viriato Moura

O MENINO E O TREM


O MENINO E O TREM - Gente de Opinião

Um trem atravessou a infância do menino. Pouco mais de sete anos de idade era o que ele tinha. Desde que fora avisado que iria fazer aquela viagem, ele embarcou em suas esperadas sensações.

Todos os dias pareciam chegar, menos o dia da partida. Até que a véspera chegou encontrando sua ansiedade nos trilhos: sua  noite foi quase insone. Às quatro da madrugada não se conteve na cama. Seus avós já se movimentavam pela casa. O dia da sonhada viagem finalmente chegou. Por volta das cinco, foram para a estação. Às seis, o trem partiu.

O menino  escolheu um assento próximo a uma janela. Ele queria ver a paisagem passar. Ficou do lado direito, porque seu rio estava do lado direito. Floresta, cachoeiras, corredeiras, barracos, pequenas cidades – esse era o cenário a ser visto. A maria-fumaça, com seu som de café-com-pão-bolacha-não, e seus silvos que acordavam o amanhecer e se anunciavam para a mata que vinha pela frente, avançava e avançava enquanto a fumaça que expelia se fazia nuvem passageira para quem vinha nos vagões.

De seu ponto de observação, o menino contemplava o desfilar constante de imagens e emoções. Em sua mente infante, o que via acordavam histórias adormecidas em seu imaginário lúdico.

O pequeno passageiro criava enredos em profusão,  como os dormentes enfileirados lado a lado na ferrovia. Ora ele imaginava o Tarzan pendurado em cipós de árvores frondosas soltando seu grito que assustava os bichos da floresta. Ou bandoleiros mascarados cavalgando próximos ao trem para invadi-lo e assaltá-lo.  Ele próprio, apesar da pouca idade e sem meios físicos para fazê-lo, sacou seu revólver imaginário e viu-se como um super-herói impedindo que os malfeitores  conseguissem seu intento, fazendo-os partir em debandada. Teve até a sensação de que seria ovacionado quando chegasse a seu destino, por ter salvado os passageiros da ação criminosa dos bandidos.

O trem, em marcha rítmica, avançava imponente até sua parada para pernoite numa cidadezinha à margem da via férrea. Ao desembarcarem, os passageiros foram para um hotel rudimentar no meio do quase nada. O garoto e seus avós ficaram no mesmo aposento. Não havia comodidade. O carapanãs produziam um ruído que espantava o sono. Mas o menino continuava viajando na dimensão sem limites de sua criatividade quimérica. Arquitetou até uma estratégia de fuga para si e para seus avós se a hospedaria fosse atacada por  índios ferozes. Mas logo o sono o alcançou para amainar o cansaço provocado pela viagem de dia inteiro.

Ainda era madrugada quando despertaram para tomar o trem novamente, logo após o café da manhã. Os fatos e as emoções  se repetiram. E novas histórias foram brotando na mente do garoto que olhava pela janela do trem e as via acontecer. Depois de muitas horas, eis que sua maria-fumaça chega ao destino onde começaria outra aventura, dessa feita que envolveria um outro país, uma viagem de avião, a visão fantástica da Cordilheira dos Andes, e muito mais.

            No retorno à cidade de onde partira, entre as aventuras imaginárias do garoto  sonhador que se repetiram,  houve um fato real: o  trem que viajava descarrilou. Foi um susto, mas ninguém se feriu. Apenas tiveram que esperar por longo tempo uma litorina, que levou os passageiros aos seus destinos.

            Muitas décadas se passaram. O menino cresceu e ganhou céus e mares em muitas direções. Visitou terras distantes mundo afora. Mas em nenhuma de suas andanças seu sonho teve a dimensão tão próxima à realidade  quanto aquela sua primeira e inesquecível viagem de trem pela lendária Estrada de Ferro-Madeira Mamoré. Porque o que realmente o garoto sonhador viu passar por sua janela nessa viagem foi a alegre e venturosa infância que viveu.  Sim, foi isso, eu garanto: esse menino era eu.


* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Viriato Moura