Porto Velho (RO) terça-feira, 14 de julho de 2020
×
Gente de Opinião

Crônica

Lágrimas parasitas


Lágrimas parasitas - Gente de Opinião

Das ferramentas da comunicação humana, as lágrimas são as que mais sensibilizam o outro, porém é difícil descobrir-lhes a face, saber se são puras, honestas, ou falsas, profissionais!  Como acreditar em lágrimas carpideiras ou naquelas provocadas por profissionais das artes cênicas?   Lágrimas verdadeiras, profissionais, falsas, basais, reflexivas, psíquicas, difícil dizer a qual categoria pertencem, quando elas estão dispostas a enganar.  Exatamente devido a este caráter obscuro, as lágrimas são as preferidas por autores de ficção, quando querem confundir o leitor, Machado de Assis fez isso muito bem com a sua Capitu. Por outro lado, são também elas que mais instigam o lado emotivo do autor/leitor.

O fato preponderante é que elas são formas de expressão, ainda que de difícil definição, podem ser vistas como o transbordamento das emoções, na construção do diálogo humano. O símbolo da dor, da tristeza, mas que também estão presentes na alegria, ou você nunca chorou de tanto rir?

As lágrimas se sujeitam a inúmeras alegorias: estão na vida, quando o bebê se apresenta para o mundo e na morte, ao compartilharmos a despedida da vida. Entrementes ao esgrimir com as palavras, na construção deste texto, foram as lágrimas parasitas, que mereceram a minha reflexão.

Lágrimas parasitas não existem sozinhas, sequer possuem vida própria, elas se alimentam de incursões ao mundo dos sentimentos alheios,  são parceiras, solidárias, empáticas, porque respondem a uma mistura de sentimentos, às vezes, são ousadas, atrevidas, aparecem em locais impróprios, estampando um enorme atestado de fraqueza na testa masculina, como que reproduzindo a máxima familiar machista – homem não chora!

Um observador comum que se preocupa apenas com a singularidade da emoção, jamais entenderá uma lágrima parasita, como se toda e qualquer lágrima fosse resposta a uma interrogação sentimental própria. Às vezes, nem as lágrimas sabem porque estão respondendo a impulsos depressivos, funcionando como poderoso calmante: chore meu filho, chorar é bom, alivia!

Lágrimas parasitas podem ser feedback ao talento de um ator ou de um roteirista, no recinto de um cinema, de um teatro, podem ser reação às cenas melosas, diante da novela, sentado no sofá de casa. Lágrimas parasitas não são originariamente suas, foram intencionalmente imaginadas pelo texto do autor, como ninho de indez, atraindo a emoção alheia.

Já as vi assanhadas, rolando em cascata pela minha face jovem, enquanto reproduzia, em voz alta, partes do texto shakespeariano, Romeu e Julieta, durante uma aula de literatura, no ensino clássico. Estas minhas lágrimas, certamente, parasitaram as do autor, no momento da sublime criação, contaminando, pelo efeito de minha voz enfática, os rostos de meus colegas de ambos os sexos.

Lágrimas parasitas, portanto, são as que se alimentam de outras. Certa vez, entrei num velório errado e, ao ver tanta gente chorando, não pude evitar a infestação parasitária. Nem tive o cuidado de me aproximar do caixão para saber se era homem ou mulher, jovem ou não, a causa da morte; coisas triviais produzidas no recanto das curiosidades e que sugestionam lágrimas parasitas.

Naquele dia, elas me brotaram dos olhos por assimilação, quase morri de vergonha ao ser indagado por um estranho, antes de me esgueirar porta afora: quem é o senhor, você conhece a falecida, é parente, sabia que ela morreu porque traía o marido, por que você está chorando tanto?

Acho que seria engano chamar as lágrimas parasitas de hipócritas, acompanhando o conceito do falso riso, porquanto, tenho certeza, elas nascem no bojo do conceito filosófico/sentimental de alteridade. Não seriam apenas um caso simples de contágio, como imaginara Honoré de Balzac: “As lágrimas são tão contagiantes quanto o riso.”

Por outro lado, posso testificar que as lágrimas, na grande maioria das vezes, ainda que parasitas, são resultantes do encontro de emoções muito fortes, produzidas por corações sensíveis. As falsas são treinadas, atendem ao efeito de glicerina, ou correspondem à sensibilidade artificial do ator/atriz. 

Confesso, por experiência própria, que as lágrimas evoluem com a vida, na velhice elas brotam com mais facilidade, como se a emoção da infância, da juventude, da maturidade e da velhice obedecessem a uma regulagem diferenciada, conforme o passar do tempo.

Entretanto, as lágrimas parasitas estão mais atreladas ao conhecimento perceptivo, à solidariedade, à piedade, enfim, à empatia: nem todo mundo chora ao olhar uma tela impactante, ao presenciar  crianças perdidas no lixão, ao mirar um caixão com defunto desconhecido, ao ler um livro, ao assistir um filme, ao ouvir uma notícia, etc.

Infelizmente muita gente sabe usar a desfaçatez, como defesa ou recurso desleal, para se atingir objetivos escusos, impedindo ao outro a leitura correta dos níveis de um sorriso, aparentemente sincero, ou de uma lágrima, honesta ou simulada.  

Cronista da existência, pauto meus escritos pelo discernimento, minhas emoções são produzidas no coração, misturadas às veias e artérias da convivência fraterna, permeadas por ações sinceras e honestas, prontas a abastecerem o poço fundo de todas as lágrimas, estacionadas no âmago do ser, prestes a cumprirem o seu expressivo papel social. 

Mais Sobre Crônica

Os sonhos norteiam a vida

Os sonhos norteiam a vida

Final dos anos 80. Rô tinha acabado de chegar de Londres. Morávamos no mesmo pensionato em São Paulo. Ela, uma gauchinha introvertida e discreta. Eu,

Confinamento

Confinamento

Ainda que para o bem de todos e felicidade geral da nação, incomoda um longo confinamento e a impossibilidade de abraçar e beijar as pessoas querida

Reflexões Cirúrgicas (4)

Reflexões Cirúrgicas (4)

O cirurgião é um ser que nasce fadado a fazer o bem através de seu ofício; se não o fizer como deve, não será um cirurgião de verdade. *** A curva de

Reflexões cirúrgicas (3)

Reflexões cirúrgicas (3)

A morte de um paciente, de algum modo, “mata” algo do médico que o trata, se ele for um médico como deve ser.***É lamentável ver paciente processand