Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de outubro de 2020
×
Gente de Opinião

Economia

Vendas melhoram em agosto, mesmo com cautela do consumidor

Empresários de Rondônia estão descontentes com a situação atual, embora acreditem que a economia vai melhorar muito


Vendas melhoram em agosto, mesmo com cautela do consumidor - Gente de Opinião

As vendas no setor do comércio de Rondônia, com as medidas de flexibilização do governo estadual, voltaram a subir no mês de agosto em relação a julho, de acordo com avaliação feita pelo presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Rondônia, Raniery Araujo Coelho, que atribui a melhora ao funcionamento do setor comercial e ao Dia dos Pais.

Embora ainda não existam dados em relação as vendas, uma sondagem feita pela assessoria econômica da Fecomércio/RO, revela um crescimento de 14,5%, em média, com alguns setores vendendo mais, como foi o caso de áudio, vídeo e eletrodomésticos (23%); informática e telefonia (13%), material de construção e ferragens (11%), hipermercados e supermercados (18%), farmácias (15%), cama, mesa e banho (9%), cosméticos, perfumes e higiene pessoal (8%) e veículos novos (1%). 

Por outro lado, alguns dos setores mais atingidos pela crise registram, mesmo melhorando, queda em agosto, embora com percentuais menores, como são os casos de vestuário e acessórios (-5%), calçados (-13%) e restaurantes e lanchonetes (-32%). Nos três primeiros casos, porém, são  percentuais de queda mais baixos desde março – o que demonstra uma ligeira melhora. Raniery, analisa que os resultados mostram, aos poucos, uma retomada da economia que deve prosseguir nos próximos meses, desde que as regras de flexibilização sejam melhoradas.

Confiança dos empresários melhora com a abertura do comércio

Ainda de acordo com a Fecomércio-RO, o comércio ainda não voltou aos níveis anteriores até porque o Índice de Intenção de Consumo das Famílias-ICF, que era de 110,7 pontos, em março, caiu para 61,4 pontos, em Julho, uma queda de -44,5% e ainda, em agosto, mostrando que os consumidores se comportam com cautela, procurando pesquisar e gastar menos, caiu levemente, -1,6 para 60,4 pontos. Isto também se explica porque a pesquisa, feita pela Fecomércio/RO com a Confederação Nacional do Comércio-CNC, mostrou que só 14,3% estão com renda melhor do que no ano passado e 50,1% dizem que sua renda está menor. Quanto ao crédito 51,6% dizem que está mais difícil que no ano passado, com 63,5% dos consumidores afirmando que estão comprando menos e 62,5% dizendo que seu consumo este ano será menor do que o de 2019. Sendo que 84,3% dizem que este é um momento ruim para a aquisição de bens duráveis.  

A boa notícia é que baixou o endividamento, de vez que, em julho 65,9% das famílias estavam endividadas. Em agosto baixou para 62,7%, ou seja, uma queda de -4,9% do total de endividados. A principal forma de endividamento continua a ser com cartão de crédito (64,1%), depois com carnês, 27,9%, Financiamento de carros, 13,8%, crédito consignado, 12,6% e crédito pessoal, 2,1. O total dá mais de 100% porque existem pessoas que tem mais de um tipo de endividamento. Também se verifica que  45,7% das pessoas tem contas em atraso e 44% delas tem um atraso maior do que 90 dias. A maior parte das famílias 51,8% tem um comprometimento com as dívidas de 11 a 50% de sua renda, contudo, existem 26,2% com comprometimento maior do que 50% de sua renda.

Aumenta a confiança dos empresários do comércio

Apesar das incertezas da economia, das dificuldades advindas da crise do novo coronavírus, a confiança dos empresários do comércio aumentou no mês de agosto. O Índice de Confiança do Empresário do Comércio – ICEC, que é composto de três subíndices alcançou 94,4 pontos, quase ficando positivo (o índice varia entre 0 e 200), o que representou um crescimento de, praticamente, 20% em relação aos 78,8 pontos de julho. Em grande parte, isto se deve ao Índice de Expectativa do Empresário do Comércio – IEEC, que foi de 144,3, o único dos três positivos e que mostra a confiança do empresário no futuro próximo.

O Índice de Investimento do Empresário do Comércio – IIEC apresentou 81,3 pontos, refletindo um investimento negativo, bem como o Índice de Condições Atuais do Empresário do Comércio – ICAEC, com 57,5 pontos demonstra que os empresários não estão satisfeitos com os níveis dos seus negócios. Isto se deve a que 56,3% deles avaliam que pioraram muito as condições da economia, 39,6% do seu setor e 38,4% as de sua empresa, mas, a expectativa de 46% deles é de que o comércio vai melhorar muito.  Em relação aos funcionários 30% pensam que vão aumentar o número um pouco, enquanto 34,4% vão reduzir o número um pouco.  Em relação aos investimentos da empresa 45,5% dizem que vai ser um pouco menor, 21,5% que vai ser um pouco maior e só 9,3% dizem que vai ser muito maior. Quanto aos estoques 58,8% dizem que os estoques estão adequados, enquanto 27,2% afirmam que está acima do adequado. 

Mais Sobre Economia

Governo prorroga prazo para pagamento de ICMS a cerca de 10 mil empresas rondonienses

Governo prorroga prazo para pagamento de ICMS a cerca de 10 mil empresas rondonienses

Em mais uma decisão importante para estimular a atividade econômica estadual, o Governo de Rondônia prorrogou, com base no Decreto n° 25.296, as datas

Sebrae e Semur debatem simplificação de licenciamento de obras na capital

Sebrae e Semur debatem simplificação de licenciamento de obras na capital

Os empreendedores de Porto Velho que precisarão de autorizações e licenciamentos para obras poderão, em breve, ganhar rapidez neste fluxo. O Serviço d

Painel aborda busca por desenvolvimento sustentável das cidades

Painel aborda busca por desenvolvimento sustentável das cidades

A vida nas cidades amazônicas e oportunidades de negócios sustentáveis foram debatidos nesta quarta-feira (14) no terceiro e último painel dos debat