Porto Velho (RO) quinta-feira, 29 de outubro de 2020
×
Gente de Opinião

Viviane Paes

Histórias & Estórias do Dia Internacional da Mulher - A Empresária-Psicóloga


Júlia Fátima de Carvalho Arcanjo Fonseca - Gente de Opinião
Júlia Fátima de Carvalho Arcanjo Fonseca

A Empresária-Psicóloga

Ela vem de uma família conhecida e tradicional em Porto Velho: os Arcanjos. Quem que não conhece ou ouviu falar dela, não é morador da capital! Essa família é responsável por um dos mais antigos e prósperos comércios de materiais de construção, a Construferro, do patriarca Miguel Arcanjo.  A primogênita, Júlia Fátima de Carvalho Arcanjo Fonseca é uma das mais notáveis filantropas da região.

Psicóloga formada na Universidade de São Paulo - USP, ela conseguiu mesclar como ninguém a formação acadêmica com o dom herdado dos pais para o comércio aconselhando, orientando amigos, conhecidos e desconhecidos em sua loja na Avenida 7 de Setembro, fundos com a rua Barão do Rio Branco.

Júlia é dessas pessoas de olhar firme que consegue enxergar sua alma. Ela presenteia todos com seu sorriso aberto, afetuoso e percebe quando você não está bem, de verdade! Nessas horas surge à psicóloga que fez um divã da vida, proporcionando momentos de paz, de alegria; reconfortando nos momentos tristes e principalmente motivando as pessoas a serem melhores versões de si mesmas.

Foi uma das primeiras idealizadoras do que seria chamado de Hospital do Câncer de Porto Velho, localizado na estrada que vai para o Cemitério Santo Antônio. Promoveu diversos eventos para arrecadar recursos e incentivou parcerias para essa causa que trazia sofrimento a centenas de pacientes e familiares, da região que padeciam com o tratamento da doença, em outras cidades. Hoje esse sofrimento diminuiu com o Hospital do Amor, uma unidade do Hospital do Câncer de Barretos, de São Paulo.

Viúva do gerente Regional da Eletrobrás Eletronorte, Fernando Manoel Fernandes da Fonseca, Júlia sempre contribuiu e incentivou as ações de inserções sociais da empresa, mesmo não sendo servidora. Por ser porto-velhense nata, empática e muito engajada em diversas ONGS, entidades e profunda conhecedora da estória da região, ela compartilhou com Fernando a paixão pela cidade!  O resultado dessa parceria resultou em diversos reconhecimentos de âmbito estadual e federal para a Empresa em Rondônia!

Júlia não reside atualmente em Porto Velho, mas seu coração permanece e retorna várias vezes ao ano. Seu pai, seu Miguel Arcanjo, as irmãs, os sobrinhos e as dezenas de amigos que conquistou continuam sendo seu porto seguro, ou melhor, ela continua sendo o porto seguro de todos.

Mais um exemplo de mulher que merece ser aplaudida em todos os 365 dias do ano. E, você leitora, é uma delas!

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Viviane Paes

História & Estórias do Dia da Internacional da Mulher - A costureira das bailarinas

História & Estórias do Dia da Internacional da Mulher - A costureira das bailarinas

A costureira das bailarinasDescendente de nordestinos, que vieram do Rio Grande do Norte fugindo das recorrentes grandes secas, numa longa viagem de n

História & Estórias do Dia da Internacional da Mulher - A Advogada apaixonada por causas humanitárias

História & Estórias do Dia da Internacional da Mulher - A Advogada apaixonada por causas humanitárias

1912: Em 6 de maio, ocorreria a Passeata pelo Sufrágio feminino, nos Estados Unidos. Uma tática ousada, adotada por sufragistas e demais militantes

História & Estórias do Dia da Internacional da Mulher - A Ex-Doméstica, mãe de Enfermeiro

História & Estórias do Dia da Internacional da Mulher - A Ex-Doméstica, mãe de Enfermeiro

1911: O primeiro dia oficial da mulher foi celebrado, em 19 de março de 1911, na Alemanha, resultado da Segunda Conferência Internacional das Mulheres

História & Estórias do Dia Internacional da Mulher - A Professora “ribeirinha”

História & Estórias do Dia Internacional da Mulher - A Professora “ribeirinha”

Quem cursou a educação primária, hoje ensino fundamental, no início da década de 70, em Porto Velho, no Colégio Dom Bosco e no Granjeiro jamais esquec