Porto Velho (RO) terça-feira, 27 de outubro de 2020
×
Gente de Opinião

Esporte

Um jogador ideal para a Copa Davis


Um jogador ideal para a Copa Davis  - Gente de Opinião

A Copa Davis é uma copa diferente. O tênis é um esporte individual, porém,  na Copa Davis, se joga,  com dezoito países divididos em seis grupos, com cinco jogadores por cada país, o que gera um clima diferente.  As equipes, por países, levam os torcedores a ser muito mais participativos e a empurrar os tenistas nos momentos difíceis. Entra em jogo o objetivo patriótico de levar a cobiçada taça de prata para seu país e as torcidas locais pesam muito. Há também uma pressão maior, pois, é muito diferente jogar por si mesmo, do que representar uma nação. Por outro lado, existe uma liderança e um espirito de equipe que ajuda os tenistas a procurar dar o máximo de si na competição. Juntam-se estes ingredientes para criar uma atmosfera mais competitiva, com o desejo individual de vencer agregado ao imperativo de ganhar por sua pátria, um aditivo extra de tensão e energia. Porém, para modernizar sua forma, este ano de 2019, a Copa Davis teve um novo formato. Foi disputada em apenas uma semana com as finais em sede neutra. As nações são formadas pelos 12 classificados da primeira etapa, mais os seis que já se garantiram vaga, ou por terem disputado as semifinais do ano passado, ou então por terem ganhado um convite. Croácia, França, Estados Unidos, Espanha, Argentina e Grã-Bretanha, então, só jogaram em novembro, em Madri. Nesta fase final, houve uma divisão de seis grupos com três times em cada, que brigaram entre si por uma vaga nas quartas de final. Cada disputa entre as seleções englobou três partidas, com melhor de três sets.  A mudança foi vista como necessária pela ITF para que o esporte ganhe mais força e visualidade internacional. Ela foi muito incentivada pelo grupo de investidores Kosmos, liderado pelo jogador de futebol do Barcelona Gerard Piqué,  que prometeu colocar US$ 3 bilhões na competição ao longo dos próximos 25 anos. Muitas polêmicas cercaram o torneio que acabou com a vitória da equipe espanhola capitaneada por Rafael Nadal.

Isto levou muitas pessoas a perguntarem o quanto a torcida espanhola influiu. Outro questionamento feito foi o de que se existe um jogador perfeito para ganhar a Copa Davis? Durante uma conversa com o o time da Betway Esporte, site de apostas online, o ex-tenista Alberto Costa, atual responsável pela organização da Copa Davis, indagado sobre qual seria o jogador ideal para o torneio  afirmou não existir, mas, apontou qualidades que um tenista perfeito teria que ter. Segundo ele, dois pontos principais seriam a mentalidade e o físico de Rafael Nadal, um mestre da superação em momentos difíceis. O outro traço de outro tenista espanhol, David Ferrer, seria o jogo de pés inigualável. Para ele, estas qualidades dariam ao tenista a mobilidade exemplar de estar sempre no lugar e hora certos para rebater. Porém, outras qualidades seriam requeridas: o smash e o saque de Pete Sampras, inigualável em conseguir aces e e aproveitar os balões rebatidos pelos adversários; o backhand de duas mãos do sérvio Djokovic, de longe o mais potente e preciso do tênis, sempre presente em momentos decisivos e, por fim, o drive de Roger Federer, quase impossível de se fazer igual, nas suas linhas perfeitas, que deixam em grande dificuldade o posicionamento correto do adversário. Ou seja, é uma mistura das qualidades que já produziram o melhor que já foi feito no tênis, o que exigiria um jogador quase esculpido para jogar este tipo de esporte. Um super atleta assim, seria, praticamente, imbatível. Infelizmente, por um lado, não existe. Felizmente, por outro lado, com qualidades desigualmente distribuídas a dose de emoção do tênis é muito maior



Mais Sobre Esporte

Semisb entrega obras dos campos sintéticos em Porto Velho e União Bandeirantes

Semisb entrega obras dos campos sintéticos em Porto Velho e União Bandeirantes

Nessa semana, a Prefeitura de Porto Velho, através da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer recebeu a conclusão das obras dos campos sintéticos do

Fogo na Premier League contra o VAR: «É ridículo. Isto não é futebol»

Fogo na Premier League contra o VAR: «É ridículo. Isto não é futebol»

O VAR conseguiu deixar em acordo duas partes muito diferentes: quem se prejudicou e quem se beneficiou. Aconteceu na partida que enfrentou Tottenham