Porto Velho (RO) segunda-feira, 8 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Cultura

Vídeo-teatro performativo “Corpos do Prazer” estreia no sábado (25/06)

Obra idealizada pelo artista Ádamo Teixeira traz vivência travesti para a tela. A criação é fruto de Trabalho de Conclusão de Curso da Licenciatura de Teatro da Unir e tem orientação do professor Luciano Oliveira


Vídeo-teatro performativo “Corpos do Prazer” estreia no sábado (25/06) - Gente de Opinião

Invisibilidade, transfobia, violência e moralismo são alguns dos temas que povoam a obra “Corpo do Prazer”, vídeo teatro-performativo do artista Ádamo Teixeira, que será lançado no próximo sábado (25 de junho), às 19h (horário de Rondônia), na plataforma virtual Sympla: https://www.sympla.com.br/corpos-do-prazer---defesa-de-tcc__1617988. A obra é parte integrante de Trabalho de Conclusão de Curso da Licenciatura de Teatro da Universidade Federal de Rondônia (Unir) e tem orientação do professor Luciano Oliveira.

 

Outra apresentação está programada para o domingo (26 de junho),  também às 19h (horário de Rondônia), pelo link: https://www.sympla.com.br/corpos-do-prazer__1617996. A atração é gratuita, com tradução em LIBRAS e classificação indicativa para maiores de 16 anos.

 

O projeto foi contemplado no Edital nº 34/2021/SEJUCEL-CODEC - 2ª Edição Mary Cyanne - Prêmio de Produção Artístico-Cultural para transmissções ao vivo ou gravadas - Eixo - II [Apresentações Artísticas (ao vivo/gravadas)] - CATEGORIA B –  Lives transmitidas ao vivo ou com apresentações gravadas e comentadas.

 

“Para retirar os ingressos é necessário acessar a plataforma Sympla, cadastrar um e-mail válido e ter acesso ao aplicativo Zoom, onde serão realizadas as atividades do projeto. Esperamos que todos possam assistir ‘Corpos do Prazer’ que cresceu muito desde sua última apresentação em dezembro de 2021”, destaca  Luciano Oliveira, orientador do trabalho e também responsável pela produção do evento. 

 

Programação

 

No sábado (25/06), a programação contará com a defesa de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do artista Ádamo Teixeira, que está finalizando a Licenciatura em Teatro na Universidade Federal de Rondônia (UNIR). A apresentação do vídeo-teatro performativo “Corpos do Prazer” será seguida de exposição do relatório final e parecer da banca examinadora, composta por: Prof. Dr. Luciano Flávio de Oliveira (orientador), Prof. Dr. Luiz Daniel Lerro (membro), Profa. Dra. Jussara Trindade Moreira (membra) e Prof. Dr. Alexandre Falcão de Araújo (membro suplente).

 

No domingo (26/06), o vídeo-teatro performativo “Corpos do Prazer” voltará a ser exibido, desta vez seguido por uma roda de conversa com ator e diretor da obra, mais a participação de Karen de Oliveira Diogo, representante da Rede Norte de Mulheres Travestis e Transexuais e Homens Trans vivendo e convivendo com HIV/Aids  (RNTTHP ) e  Comunidade Cidadã Livre (COMCIL).

 

Processo criativo

 

Ádamo Teixeira destaca que as pesquisas referentes à performance “Corpos do Prazer” começaram a surgir no segundo semestre letivo de 2018, com suas investigações sobre o universo LGBTQIA+, na disciplina Improvisação I, dentro da Licenciatura em Teatro. “Nela tive meu primeiro contato com uma  personagem travesti, que figurava como uma profissional do sexo numa cena improvisada a partir do texto ‘Entre Quatro Paredes’, de Jean Paul Sartre. Nos anos seguintes, entre 2019 e 2021, essa personagem/figura foi sendo aprofundada em Interpretação I, Improvisação  II, Linguagem da Encenação Teatral e Fundamentos da Direção Teatral, disciplinas ministradas pelo professor Dr. Luciano Oliveira,  bem como em Performance, ministrada pelo professor Dr. Luiz Lerro. Já o nome Amitaff, surgiu durante a disciplina Fundamentos da Direção Teatral, no segundo semestre letivo de 2019.”, relembra o artista.  

 

Sinopse

 

Corpos do Prazer é uma obra artística (vídeo-teatro performativo) resultante das investigações empreendidas pelo discente Ádamo Teixeira, do Curso de Licenciatura em Teatro da UNIR, durante o seu Trabalho de Conclusão de Curso, sob orientação do professor Luciano Oliveira. Nesse trabalho, a travesti Amitaff propõe lançar-se como artista (cantora, atriz  e performer) ao mesmo tempo em que divulga um pacote promocional de fotos e vídeos eróticos. Acompanhada pelo seu produtor (e cliente), que filma e transmite “ao vivo” as imagens do evento, ela sente na pele as consequências da exclusão social, da transfobia e do machismo. O trabalho denuncia ainda a invisibilidade, a violência e o moralismo tão em voga no Brasil atual.

 

Ficha Técnica

 

Atuação, figurino, maquiagem, cenografia e iluminação: Ádamo Teixeira

Direção/orientação, técnica e produção: Luciano Oliveira

Publicitário, direção de vídeo e edição: Luís Gustavo Aldunate

Assessoria de imprensa: Dennis Weber

Intérpretes de Libras: Jamilly Martins e Emanuel Vítor

Coordenação de plataforma: Stéphanie Matos

Mais Sobre Cultura

Revista cultural Biribá é lançada para valorizar moda e a arte rondoniense

Revista cultural Biribá é lançada para valorizar moda e a arte rondoniense

Marcela Kopanakis é a idealizadora da revista Biribá. Uma revista físico-digital sobre moda, cultura e comportamento que será veiculada no estado de

Cultura de Vilhena sofre com desmonte da Fundação Cultural

Cultura de Vilhena sofre com desmonte da Fundação Cultural

A Fundação Cultural de Vilhena, autarquia responsável por gerir a cultura do município, está longe de ser perfeita, mas a atual conjuntura política

Porto Velho realiza solenidade em comemoração ao aniversário da EFMM

Porto Velho realiza solenidade em comemoração ao aniversário da EFMM

Um ato solene, em comemoração ao aniversário de 110 anos de inauguração da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré (EFFM), foi realizado nesta segunda-feira (

Fotolivro sobre a festa do Divino Espírito Santo é lançado e distribuído para comunidade do Guaporé

Fotolivro sobre a festa do Divino Espírito Santo é lançado e distribuído para comunidade do Guaporé

A beleza da pluriculturalidade da comunidade tradicional do Vale Guaporé, localizada no estado de Rondônia, em fronteira com a Bolívia, foi eterniza