Porto Velho (RO) quinta-feira, 18 de agosto de 2022
×
Gente de Opinião

Cultura

Historiadores querem proibir a distribuição de revista com erros


Os historiadores Abnael Machado de Lima, Odete Marao, Solano Lopes e Francisco Matias querem que o Governo do Estado e a Prefeitura de Porto Velho impeçam a distribuição nas escolas e em outros lugares, do Livro Educativo Ilustrado "O Surgimento de Porto Velho".

Eles alegam que há erros graves e que elas comprometem todo o material. Todos citam os textos da página 13, onde os autores dizem que a Lei Complementar 41 que criou o Estado foi assinada no palácio Presidente Vargas, quando de fato foi no palácio da Alvorada, em Brasília, e também que o ministro do Interior leu na sacada do Presidente Vargas a primeira Constituição do Estado e nomeou o coronel Jorge Teixeira governador, outros erros porque a Constituição foi promulgada dia 6 de agosto de 1983 e quem nomeou o governador foi o presidente da República, fatos confirmados por todas as fontes ouvidas.

O ex-presidente do Conselho Estadual de Educação e historiador Abnael Machado de Lima propõe até que o Ministério Público intervenha, "para evitar que haja informação histórica errada sendo levada para nossa população, e eu não cito apenas os estudantes porque adultos que não conheçam a nossa História podem acreditar naquilo que a revista está mostrando". Abnael quer que o Governo e a Prefeitura mandem recolher todo material "porque foi feito com dinheiro público e essas instituições, com outras, aparecem como patrocinadoras".

Para o professor Solano Lopes, de História Regional da Uniron, "essa publicação, com tais erros, deve ser tirada de circulação e proibida para menores e adultos porque distorce fatos históricos". Solano lembra que "se permitindo a circulação da revista se pode gerar problemas sérios para quem usar essas desinformações num concurso público, por exemplo".

A professora Odete Marao, mestre em História, também é favorável a que a publicação "O Surgimento de Porto Velho" seja retirada de circulação. "Eu até proponho que ela seja novamente editada, mas passando por uma revisão total inclusive ortográfica. E até me proponho a ajudar na revisão histórica".

Já o historiador Francisco Matias disse ter "levado um susto quando li o material. Isso porque tudo que estudei, pesquisei e até fui testemunha, como nos casos da instalação do Estado e da Promulgação da Constituinte de 1983, estão distorcidos na revista". Francisco Matias entende que "o melhor caminho é proibir a circulação do material, mandar recolher tudo e ter muito mais cuidado para não continuar distorcendo fatos históricos nem datas ou funções".

Fonte: Lúcio Albuquerque

Mais Sobre Cultura

Rede Sem Fronteiras apresenta autores lusófonos na 92ª Feira do Livro de Lisboa - Portugal

Rede Sem Fronteiras apresenta autores lusófonos na 92ª Feira do Livro de Lisboa - Portugal

De 25 de agosto a 11 de setembro, o Parque Eduardo VII, em Lisboa, Portugal, voltará a receber este que é o maior evento dedicado a promover a liter

Fórum aprova documento que propõe melhorias na cultura em Vilhena

Fórum aprova documento que propõe melhorias na cultura em Vilhena

Com o objetivo de dialogar sobre a cultura no município de Vilhena, foi realizado nesta terça-feira, 9, o I Fórum de Cultura de Vilhena no Auditório

Inscrições abertas para Oficina de técnicas literárias voltadas para letras de canções

Inscrições abertas para Oficina de técnicas literárias voltadas para letras de canções

Estão abertas até o dia 12 de agosto as inscrições para a Oficina “Poemas-Canção” - ação formativa realizada pelo Sistema Fecomércio/Sesc/Senac/IFPE,

Revista cultural Biribá é lançada para valorizar moda e a arte rondoniense

Revista cultural Biribá é lançada para valorizar moda e a arte rondoniense

Marcela Kopanakis é a idealizadora da revista Biribá. Uma revista físico-digital sobre moda, cultura e comportamento que será veiculada no estado de