Porto Velho (RO) terça-feira, 26 de maio de 2020
×
Gente de Opinião

Fabiano Barros

Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento: Coletivo Piauy Estúdio das Artes


Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento:  Coletivo Piauy Estúdio das Artes - Gente de Opinião

Na literatura, podemos entender que os clássicos, são obras primas que ultrapassam seu tempo, e se perpetuam no imaginário do coletivo, possibilitando que se façam diversas leituras e releituras do que foi criado.
Adaptado por Adriano Abreu e encenado pelo Coletivo Piauhy Estúdio das Artes, “Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento” é uma releitura da obra, As Aventuras de Pinóquio, escrita em 1881 pelo italiano Carlo Collodi.
O Coletivo criado em 1998 no Piauí, tem como principal fundamento a pesquisa no reconhecimento do atuante (ator-bailarino-narrador-performer), sob uma visão holística, como núcleo essencial do trabalho cênico. Nesse sentido, capacitando os atuadores a não só montar espetáculos, mas sobretudo, a pensar o teatro, como uma possibilidade de evolução integral do ser humano, através do desenvolvimento de uma cosmovisão ética, filosófica, sociocultural e técnica, realizada pelo aprimoramento cognitivo, corpóreo-vocal.
Não podemos falar de Pinóquio sem lembrar de seu desejo de ser menino, como também, as enrascadas que suas mentiras o leva.
Mesmo sendo uma estória conhecida por todos nós, a adaptação, “Pinóquio e Gepeto ao Sabor do Vento” que está circulando pelos dez estados da Amazônia Legal, pelo projeto Sesc Amazônia das artes, se mostra desde o começo, um espetáculo de um conceito totalmente original.
De uma forma bem-sucedida, a direção mostra ao público, uma costura de elementos essenciais e complementares de cena, tais como figurino, música e elementos cênicos, amparados por uma originalidade que se apresenta de forma criativa e harmoniosa desde o começo do espetáculo. O que é apresentado, tem o poder de prender a atenção do espectador, criando uma expectativa ao seu decorrer, mesmo sendo o texto, uma estória conhecida por todos.
É preciso ressaltar, a excelente presença cênica da atriz, Silmara Silva interprete do boneco de madeira, que durante uma hora de espetáculo, domina toda a cena, possibilitando que cada personagem tenha seu devido destaque na estória e na cena, com isso mostrando um unicidade no trabalho, que prende a atenção do público do começo ao final.

Galeria de Imagens

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Fabiano Barros

Gestores ligados às secretarias de Cultura da região amazônica estarão no CONEXÃO NORTE

Gestores ligados às secretarias de Cultura da região amazônica estarão no CONEXÃO NORTE

De 24 a 30 de maio, sempre às 20h30 horário de Brasília no perfil do Instagram: https://www.instagram.com/fabianodbarros/, acontecerá o CONEXÃO NORTE.

Projeto Conexão Rondônia com a artista plástica Rita Queiros e o músico Marcos Biesek

Projeto Conexão Rondônia com a artista plástica Rita Queiros e o músico Marcos Biesek

A pagina CULTURA RONDÔNIA realiza nessa sexta feira dia 22 a partir das 18h 30, o projeto CONEXÃO RONDÔNIA que é uma série de transmissões pela intern

Peça “Onde Morrem os Pássaros?” estreia neste sábado (09)

Peça “Onde Morrem os Pássaros?” estreia neste sábado (09)

Dirigida por Fabiano Barros, a peça “Onde Morrem os Pássaros?” contemplada pelo prêmio Sesc de Incentivo às Artes Cênicas 2019, e realizada pela Cia d

Poema Sonoro Palavr(arma)dura - Tatamirô Grupo de Poesia

Poema Sonoro Palavr(arma)dura - Tatamirô Grupo de Poesia

Minúsculas raízes emaranhadas de alguns tubérculos e de outras plantas, que se entrelaçam, formando um conjunto complexo de elementos que estão ligado