Porto Velho (RO) segunda-feira, 25 de maio de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

O mundo não é justo, my sweet girl


O mundo não é justo, my sweet girl  - Gente de Opinião

O filme “O Poço”, dirigido por Galder Gaztelu-Urrutia, recentemente lançado pela Netflix, é uma metáfora fascinante, grotesca e perturbadora. Embora não esteja explícito representa uma clara crítica à nossa sociedade, sua distribuição de recursos e à falta de solidariedade dos mais ricos, ao criar um personagem que, por vontade própria, entra numa prisão para se livrar do vício do cigarro e ganhar um certificado, e que se vê, de repente, obrigado a lutar pela vida, pois, na prisão, a comida passa por uma rampa com mais de trezentos níveis, na qual não chega aos níveis mais baixos, forçando a quem neles vive a lutar pela sobrevivência. É uma abordagem com elementos ainda mais complexos, porém, com uma permanente tendência de questionar o mundo atual quando começa, por exemplo, com as fortes palavras; “Há três tipos de pessoas. As de cima, as de baixo e as que caem”. O que parecia incompreensível para o protagonista do filme (Goreng), que, como todos  os prisioneiros só podia levar um objeto para a prisão, e levou o livro de Cervantes, Dom Quixote, acaba ficando explícito, quando compreende que a única coisa que se faz na prisão é esperar por uma rampa com uma plataforma de comida. Preparada no nível zero, um banquete, consumido, durante algum tempo, em cada nível, uma vez a cada dia, sem que se possa guardar nada, em que os de cima não se importam com o que sobra para os debaixo, nem que se alimentem de seus restos. Quando acorda, Goreng, está no 48, onde ainda se come, mas, os prisioneiros são, mensalmente, trocados de nível para que passem por todas as situações. Quando acorda, no nível 147, se vê amarrado, por seu companheiro de cela, Trimagasi, que, prevendo a falta de comida, passaria a comer parte de seu corpo. E faria isto, se uma personagem, Miharu, misteriosa e canibal, que se transporta pela plataforma atrás de sua filha, não o salvasse. É se alimentando de partes do corpo e das larvas do companheiro que Goreng sobrevive e vai ser compartilhar cela com Imoguiri, quem o selecionou para a prisão, que, depois se descobre, ao saber que tinha câncer, foi tentar mudar o sistema por dentro. O lado idealista dos personagens reaparece, depois, no próprio personagem e em um negro, Baharat, que topa, primeiro tentar descer e distribuir a comida, depois fazer com que uma mensagem chegue ao nível zero. É um filme onde várias metáforas se entrelaçam numa grande metáfora. O fato de Baharat querer subir, dependendo da bondade de estranhos, sem sucesso, mesmo apelando para a religião, ou a alusão que se pode fazer os de baixo cooperar pela força, bem como a menção explícita de que “nenhuma mudança é espontânea” não conseguem superar a de que, por mais educados, bem intencionados e delicados que possamos ser, nas situações limites, nos comportamos como qualquer animal, ou seja, o que vale é sobreviver. Embora deixe visível, o que é uma verdade, que há alimentos e recursos para todos, se os poderosos tivessem solidariedade, também deixa entrever que a mudança só pode ser feita pela educação. Como é um filme que visa questionar valores também não são propostas soluções, daí, o final tão ambíguo. A salvação da criança, no nível 333, é realidade? Uma das regras da prisão era de não se ter menores e, alguns personagens, colocam em xeque a existência da filha de Miharu. Ainda que seja. Isto mudaria de fato alguma coisa? Quando se vê o chefe indo à loucura, no fim do filme, por um cabelo na panacota, é de cabível perguntar se, para muitos, tem importância o que se passa nos níveis inferiores, desde que não altere sua vida. Algo semelhante não se passa, por exemplo, agora, quando se pede para os outros ficar em casa, quando esses não tem o que comer? Há uma quantidade muito grande de pessoas que fazem belos discursos socialistas comendo caviar e bebendo champanhe, mas, quantos se moveram para alimentar alguém na atual crise do coronavírus? Os pobres, na sua grande maioria, não estão discutindo no Facebook ou no Whatsapp sobre Bolsonaro ou Lula, sobre ficar ou sair. Estão, como os do final do poço, em busca do que comer hoje ou amanhã. E são poucos, muitos poucos, os que tem o que teve Goreng no filme, a coragem de se sacrificar pela menina (o amanhã). O filme é cruel. É preciso ter estomago para assistir, mas, trata de todos nós: da nossa violência, do que vemos, do que não vemos, dos que desejam o diálogo, dos que não entendem. Mas, a realidade do poço nos envolve com outras formas. E, é óbvio, não nos salva nem a literatura, nem o marketing nem a cegueira. Apesar das nossas melhores intenções o mundo continua a ser injusto. E o poço não tem fundo. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

As perspectivas depois da crise do coronavírus

As perspectivas depois da crise do coronavírus

Os setores mais ricos, aliados com a esquerda supostamente progressista, até por oposição à Bolsonaro, mas, sem nenhuma consideração pelas consequên

A crise do coronavírus e seus impactos na cultura

A crise do coronavírus e seus impactos na cultura

Um dos setores mais profundamente impactados pela crise do coronavírus foi o setor cultural, em especial a denominada economia criativa, a parte da

Nem as máscaras nos tornam iguais

Nem as máscaras nos tornam iguais

É verdade. Antes usar máscara era coisa de bandidos ou de heróis marginais, como Zorro, Fantasma ou Batman. Agora não. Para sair na rua ou entrar nu

Apesar do lockdown o coração falou mais alto

Apesar do lockdown o coração falou mais alto

Embora, no Brasil, a mídia tenha consagrado a quarentena, ou isolamento horizontal, como um consenso científico, de fato, não é bem assim. O coronav