Porto Velho (RO) terça-feira, 26 de maio de 2020
×
Gente de Opinião

RaiKa Fabíolla

Como é bom ser criança



Muitos dizem que criança não tem compromissos, que vive ao léo sem preocupação alguma. Ledo engano, pois para cada brincadeira, traça estratégias, cria e recria, busca novas alternativas para satisfazer os seu anseios; se não tem com quem brincar, conversa com um amiguinho imaginário, dá nome aos bonecos, cria histórias, imita a fala dos adultos, se torna dona de sua casinha ou de seu escritório, é médica, enfermeira, professora e tantas outras profissões.

Em meio a tantos afazeres ainda sobra tempo para um bom lanche feito pela mamãe ou pelo papai, depois uma soneca para descansar a “beleza” e logo começa tudo novamente. Sendo que agora a brincadeira é mais dinâmica, vai para rua (quando possível) encontra os amiguinhos da vizinhança, brinca de pic esconde, rouba bandeira, pega pega, salada mista, queimada, amarelinha, pipa, cangapé e tantas outras brincadeiras que aos olhos dos adultos parecem tirar todas as suas energias. Mas que nada! Se sente tão feliz está em meio aos amigos que nem sequer percebe o tempo passar e já vai ditando novas regras para as brincadeiras, principalmente se tem o espirito aventureiro que sente vontade de superar obstáculos e ir em busca de novas aventuras...

Gosta de subir em árvores, gosta de dar piruetas com os famosos saltos mortais, gosta de pular corda e inventar músicas e passos... canta, pula de uma perna só, pula e bate palmas, pula e abaixa, chama mais colegas para pular a corda e juntos criam novas situações... mas, é claro, como ela criou as regras primeiro, logo também tem grande chances de ser a vencedora.

A noite cai, vem a difícil hora do banho... mãe gritando; “menino vem tomar banho!”... e o menino, nada.... Mais alguns instante... “menino vem tomar banho! Depois de tanta insistência a criança resolve atender o chamado da mãe... mas não se enganem; essa obediência se deve a promessa de uma “surra” se não for logo. Bom, passado esse momento temeroso, pois criança não entende porque precisa tomar tantos banhos, porem obedece logo a mãe e após o jantar ou o lanchinho da noite começa tudo novamente... se for dentro de casa, vai para o quarto pega seus brinquedos e começa a criar novas brincadeiras, por vezes, até o animal doméstico entra na fantasia. Senão, como mamãe gosta de bater um papo com as amigas na frente de casa, a criança aproveita para reencontrar os amigos para jogar conversa fora, para brincar de adoleta, de dama, de pião, de carrinho, de boneca... pois mamãe não deixa se sujar. Mentira! Logo desistem de ser comportados e começam com as brincadeiras que exigem corrida, perspicácia, ousadia, equilíbrio, etc. Até que a mãe se dá conta que já é tarde e que é hora de dormir e logos todos partem para suas casas, sob determinação de tomar um belo banho, vestir um lindo pijama, tomar um leite quente, fazer a oração em agradecimento ao papai do céu pelo lindo dia e ir dormir. Dai a criança respira fundo e diz: “nossa! Hoje eu brinquei muito”.

Essa criança tem compromissos e responsabilidades em SER CRIANÇA, porem os dias atuais, em meio a tantas turbulências relacionadas a fatores econômicos, sociais, religiosos, etc... elas estão ficando presas em suas casas ou apartamentos, de frente para o computador, vídeo-game, usando demasiadamente aplicativos dos celulares (jogos, redes sociais, etc.) e já não correm, não pulam, não gritam, não criam brincadeiras e nem brinquedos. A era tecnológica é deveras interessante, mas, usada de forma inadequada atrapalha o desenvolvimento das crianças. Vamos pais para as praças, para os parques fazer piquenique, vamos para o campinho de futebol próximo de casa para brincar, vamos nos finais de semana fazer passeios em família, andar de bicicleta, aproveitar cada fase de desenvolvimento das crianças, pois com elas temos muito a aprender, pois seu senso de compromisso e responsabilidade estão a todo instante nos alertando para isso.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre RaiKa Fabíolla

O sol e a lua

O sol e a lua

O sol e a lua Não se pode desfrutar do sol e da lua ao mesmo tempo há que se escolher como desfrutar de cada um de modo que a satisfação seja sentida

Tarcizinho: Meu primeiro amor materno - Prof.ª Raika

Tarcizinho: Meu primeiro amor materno - Prof.ª Raika

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});   Há 18 anos fomos presenteados por um ser tão p

QUEM É VOCÊ?

QUEM É VOCÊ?

(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); (adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({}); QUEM É VOCÊ? Você é o meu alfa e meu ômega Meu a

O tempo - Por RaiKa Fabíolla

O tempo - Por RaiKa Fabíolla

Para Charles Chaplin “o tempo é o melhor autor; sempre encontra um final perfeito”. Esse tempo nos ensina a entender que para tudo existe uma explicaç