Porto Velho (RO) sábado, 5 de dezembro de 2020
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Uma tragédia amazônica


Uma tragédia amazônica - Gente de Opinião

Vista por lentes de aproximação, a Amazônia se revela como a região brasileira mais devastada pela pandemia do novo coronavírus. Tanto pelos efeitos nas suas duas maiores cidades, Manaus e Belém, com quase 4 milhões de moradores em conjunto, como pela intensidade crescente nas suas cidades espalhadas pelo vasto interior, com seus 5,5 milhões de quilômetros quadrados, que formariam o 6º maior país do mundo (desmembrada, reduziria o Brasil a 3 milhões de km2).

A situação gravíssima do Amazonas, a maior unidade federativa do país, decorre do abandono da sua população ribeirinha, que não faz – nem nunca fez – parte do modelo de desenvolvimento avalizado pelo poder central, drenado para as rodovias de penetração das frentes econômicas, menosprezando a maior bacia hidrográfica do planeta. Nesses distantes pontos, o habitante ainda busca a sobrevivência.

A inexistência de um único hospital com leito de UTI ao longo de alguns dos maiores rios do mundo, afluentes do gigantesco Amazonas, espraiados num território estadual de 1,5 milhão de quilômetros quadrados, o 19º maior do mundo. É nessa região que estão morrendo cada vez mais pessoas, numa progressão de autêntica tragédia – ou, quem sabe, podendo até vir a ser caracterizada como genocídio.

Das 20 cidades brasileiras com maiores mortalidades causadas pelo coronavírus, 17 são da Amazônia, sendo 11 do Amazonas, 5 do Pará e uma do Amapá. Belém é, das três capitais incluídas no ranking elaborado pelo portal G1, a primeira. É a 3ª no quadro geral, com 93 mortos por grupo de 200 mil habitantes. Fica atrás de Manacapuru e Tefé. No Amazonas, com 99 mortes por 100 mil.

As demais cidades amazonenses da listagem são Tabatinga (5º lugar), Amaturá (8º), Santo Antônio do Içá (10º), Coari (11º), Manaus (12º), Barcelos (15º), Benjamin Constant (17º), Autazes (18º) e Manacapuru (19º).

As outras cidades paraenses são Curuçá (4º), Benevides (13º), Breves (14º) e Barcarena (20º).

A do Amapá é Laranjal do Jari (7º), vinha à sede do projeto criado pelo milionário americano Daniel Ludwig, hoje controlado pelo empresário paulista Sérgio Amoroso.

Das 20 cidades com maior incidência de casos da covid-19, 11 ficam no Amazonas, com as duas primeiras posições ocupadas por São Gabriel da Cachoeira (4 mil casos por 100 mil habitantes) e Itapiranga, (3,8 mil). Seguem-se: Santo do Içá (4ª), Tefé (5ª), Amaturá (7ª), Manacapuru (9ª), Coari (10ª), Tapurá (11ª), Benjamin Constant (12ª), Barcelos (15ª) e Anori (16ª).

Do Amapá são Pedra Branca (3ª) e Laranjal do Jari (6ª). Do Pará, Canaã dos Carajás (8ª).

Dos 911 mil testes para a doença feitos no Brasil, a soma dos seis Estados amazônicos é de 94 mil, ou 10%, menos do que os 142 mil testes do Distrito Federal e só um pouco mais dos 88 mil de São Paulo. No Amazonas, o que mais sofreu com o coronavírus, são pouco mais de seis mil. Não chegam a mil em Roraima.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Colonialismo rides again. A cor do dólar.

Colonialismo rides again. A cor do dólar.

O BNDES vai realizar, entre os dias 19 e 23, a Semana BNDES Verde, com debates diários transmitidos pela internet. A abertura será feita, evidentement

Mentiras na ONU

Mentiras na ONU

"Nossa floresta [amazônica] é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior. Os incêndios acontecem praticamente nos mesmos lugares, no ent

Camponeses que tomaram a última faixa de terras em fazenda de Chupinguaia celebram um mês do Acampamento Manoel Ribeiro

Camponeses que tomaram a última faixa de terras em fazenda de Chupinguaia celebram um mês do Acampamento Manoel Ribeiro

Camponeses que ocuparam a última faixa de terras da Fazenda Santa Elina inteiraram domingo (20) o primeiro mês de vida do Acampamento Manoel Ribeiro,

Agora, lascou

Agora, lascou

Por causa de um corte de 60 milhões de reais, feito pela administração federal segunda-feira, o Ibama e o ICMBio retirarão das operações de campo 2,2