Porto Velho (RO) segunda-feira, 8 de março de 2021
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Repórteres escorraçados e advogado morto, bem antes da Leste


Repórteres escorraçados e advogado morto, bem antes da Leste - Gente de Opinião
"Os repórteres Abelardo Jorge e Dalton di Franco, de A Tribuna e Rádio Caiari, e os fotógrafos Rubens Nascimento e Maria José, do Alto Madeira foram obrigados a deixar uma área de terras invadida por cerca de 200 posseiros, sob a proteção da Polícia Militar, no último fim de semana. 

A área é pretendida na Justiça de Porto Velho pelo Grupo Coringa, pertencente ao empresário Francisco Sorviezosky. Algumas famílias que ocuparam área próxima à Avenida Rio Madeira desde terça-feira passada foram incitadas pela vereadora Raquel Cândido (PMDB) e pelo advogado Magnus Guimarães, ex-deputado federal e presidente provisório do PDT" – eu escrevia na edição de 6 de fevereiro de 1984, do Jornal do Brasil, do Rio de Janeiro.

A cidade dava sinais de estender-se para as terras onde cresceu a zona leste. A lei do mais forte predominava com força gigantesca. Os repórteres foram escorraçados daquela área e, por pouco, não lhes trancaram no xilindró.

Contrário aos interesses de grupos que se consideravam proprietários de áreas situadas além da Avenida Jorge Teixeira (ex-Avenida Kennedy), o advogado Agenor Martins de Carvalho pagou com a morte, quatro anos antes, em 1980. Voltava de um aniversário na noite de nove de novembro de 1980. Deitou-se na cama do seu quarto, na casa da Rua Julio de Castilhos. Minutos depois, o pistoleiro abre a janela e disparou um tiro certeiro no seu coração. Passei ontem à tarde lá em frente, a janela ainda é a mesma. 

Saudoso Agenor, goiano de Porangatu, ex-secretário geral do MDB, sabia que mexia com peixes graúdos, tubarões dentudos, entretanto, não temia conviver com o latifúndio, que o mantinha sempre na mira. Suas ações em defesa das famílias de posseiros e dos sem-teto da Nova Porto Velho, Bairro da Floresta e adjacências abalavam a sólida estrutura do empresário José Milton de Andrade Rios e do empresário Carlos Figueiredo, dono do antigo Hotel Floresta, onde foi construída a sede do Tribunal Regional do Trabalho. 

Hoje a avenida é um brinco. Antes, chão batido, foi banhada de sangue.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

General Mourão anuncia a volta do ICMBio e do Ibama no combate ao desmatamento na Amazônia

General Mourão anuncia a volta do ICMBio e do Ibama no combate ao desmatamento na Amazônia

O combate ao desmatamento na Amazônia voltará a contar com a participação direta do Ibama e do ICMBio, até então alijados do seu papel constitucional.

“Não há reforma agrária, terras são regularizadas a grileiros”, denuncia Procurador

“Não há reforma agrária, terras são regularizadas a grileiros”, denuncia Procurador

Está em curso em Rondônia e no País a criminalização não só da luta pela terra, do movimento camponês, mas também de advogados que atuam na defesa d

Sonho do estado vem dos anos 1960

Sonho do estado vem dos anos 1960

O fluxo migratório quase incontrolável rumo à Amazônia Brasileira acelerou a instalação do Estado de Rondônia. Quatro décadas depois da chamada Marcha

Terça-feira tem ato de solidariedade contra a criminalização da luta pela terra

Terça-feira tem ato de solidariedade contra a criminalização da luta pela terra

O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo) promoverá terça-feira, 22, às 15h, ato de solidariedade a camponeses e indígenas de Rondônia