Porto Velho (RO) segunda-feira, 19 de abril de 2021
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Jornalismo - Depois de 1969


Jornalismo - Depois de 1969 - Gente de Opinião
Jornalismo - Depois de 1969 - Gente de Opinião

Amanheci em São Paulo no primeiro dia de janeiro de 1969. Estava garoando no belo (na época) aeroporto de Congonhas, sem o movimento de hoje nem os enormes aviões. Havia quase só aviões de motor convencional. Constellation, Avro, Convair, DC-6. Escassos jatos, ainda apegados à estética dos planadores. 

No hall principal, uma muito fornida loja da livraria Laselva, com jornais e revistas estrangeiros, o cheiro de papel recentemente impresso, recendendo a tinta, numa cápsula de cultura, que o tempo arrastou pelo ar da memória.

Terminei o dia em cama de beliche, melancólico e triste, ainda sob o impacto da decisão de deixar Belém depois que o golpe do AI-5, no dia 13 de dezembro de 1968, não deixou dúvida: o jornalismo na cidade ia bater em retirada ou marcar passo, submetido às ordens telefônicas da censura. O fim antecipado do ano que não terminaria indicava qual era o destino natural. 

O olho do furacão estava mesmo em São Paulo, onde os mais ricos iam financiar a Operação Bandeirantes para liquidar com a esquerda e sufocar a liberdade.

Numa pequena eletrola coloquei o disquinho com F Comme Femme, de Salvatore Adamo, para mim o hino daqueles dias tão difíceis. Ouvi até a saturação, sem esgotar o desejo de ouvir mais, me dissociar da realidade e seguir por aquele canto de sereia para dentro de mim, pelo F gris de Femme, a mulher que nos originou e que procuramos num ponto brilhante e mínimo no céu nublado,a estrela idílica da nossa razão de ser.

O meio século de 1968 está terminando e o lembro neste dias chuvoso de natal de uma cidade que não foi favorecida pela volta à democracia, desleixada, submissa, vítima de seus próprios desatinos, o mais grave dos quais é não saber escolher quem a guia - ou não ter escolhas na mediocridade que se apresenta.

E no entanto, prosseguimos. O ano não terminou em 1968, mas quem quis conseguiu sobreviver com dignidade à sombria e enorme mancha de negrume que se seguiu. Eu cheguei aos 70 e Salvatore Adamo, um descendente de italianos que a França precisou aceitar e consagrar, já passou da marca. E continuamos. Cada um na sua, cabelos brancos à parte.


* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Álvaro Dias sugere curso para tomadores de empréstimos aprenderem mais sobre conservação ambiental

Álvaro Dias sugere curso para tomadores de empréstimos aprenderem mais sobre conservação ambiental

O senador Álvaro Dias (Podemos-PR) propôs esta semana ao Plenário a alteração da Lei nº 6.938, de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do

Marcha para Jesus agora é Patrimônio Imaterial de Rondônia

Marcha para Jesus agora é Patrimônio Imaterial de Rondônia

A Marcha para Jesus, evento que reúne milhões de pessoas no mundo e, pelo menos, 103 mil pessoas em Porto Velho, é agora Patrimônio Cultural e I

Guajará-Mirim é top na culinária e na solidariedade com sua vizinha, no Beni

Guajará-Mirim é top na culinária e na solidariedade com sua vizinha, no Beni

O incêndio é do lado de lá, quem socorre são os bombeiros brasileiros de cá. Safras agrícolas de Guayaramerín (Beni) para exportação entram pelo rio

Professor de Física publica artigo científico sobre o quarto estado da matéria, o plasma

Professor de Física publica artigo científico sobre o quarto estado da matéria, o plasma

Professores de Física em Porto Velho Professor publicaram na revista The Brazilian Journal of Development o artigo científico intitulado "Construção d