Porto Velho (RO) domingo, 29 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

Ezequiele, um morto que fala


Ezequiele, um morto que fala - Gente de Opinião

Entregamos um jovem e recebemos um morto, mas é um morto que fala e continua pregando através da repercussão desse fato, e temos certeza que ele está no Céu depois dessa vida de doação.

 

 Hoje, 24 de julho, faz 35 anos o assassinato do missionário comboniano* Ezechiele Ramin, que morava em Cacoal e se dedicava a defender indígenas e posseiros naquela região.


 Essa mensagem fora enviada de Pádua (Itália) pelos pais do padre Ezechiele Ramin, tão logo receberam a notícia da morte dele, aos 32 anos, no chão da porteira de uma fazenda na divisa de Mato Grosso com Rondônia. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Cacoal, Adílio de Souza, também foi ferido, mas escapou.

 

Uma semana antes do acontecido, o repórter esteve com Ezechiele no distrito de Riozinho [antiga sede do posto indígena da Funai com jurisdição sobre a região do Aripuanã]. Ele estava animado com o trabalho da Igreja Católica intitulado “O lavrador entra na Constituinte”. A nova Constituição Brasileira seria aprovada em 1988, três anos depois da morte do padre.

 

Em 24 de julho de 1985 o governador Ângelo Angelim colocava a polícia civil no encalço dos assassinos de Ezechiele, investigando a cena da tocaia na Fazenda Catuva, no município de Aripuanã (MT). Dias depois, os participantes da execução a tiros de carabina Winchester seriam presos.

 

A camisa ensanguentada e toda furada de balas ficou horas na delegacia regional de Ji-Paraná, onde “acampei” 48 horas, à espera das investigações.

 

Depois de velado numa procissão pelas ruas de Cacoal, o corpo do padre foi enviado para Pádua (Itália) e sepultado pela família. Os assassinos, jagunços a serviço dos fazendeiros, foram levados para a Penitenciária do Carumbé, em Cuiabá.

 

Segundo o padre comboniano Pedro Bracelli, a Comarca Cuiabá julgou dois processos. Condenado, um dos mandantes fugiu. Poucos meses depois da morte de Ezechielle houve um desafio entre colonos e fazendeiros, e um deles, Omar Pires Bruno**, denunciado como responsável pelo assassinato, morreu numa emboscada, na própria fazenda.


POBRES MATANDO POBRES


Diz o site Missionários Combonianos:  "Naquele tempo, eram muito comum os pistoleiros. Matar gente, para alguns, havia se tornado uma profissão que rendia uma diária maior do que o trabalho do campo. Os pistoleiros eram contratados, de maneira sigilosa, entre os próprios trabalhadores rurais. Portanto, podemos afirmar que os poderosos usavam os pobres para matar aos mesmos pobres, a fim de manter seus interesses egoístas e gananciosos de acumular terras e criar fazendas".


3 - livro

Nas páginas 68 a 72 do meu livro Do jeito que vi, descrevo a violência contra indígenas e posseiros em 1985, nos capítulos: “Morto, padre Ezechiele vira símbolo” e “Matavam por 300 mil cruzeiros”

______

 

* Pertencente à Comunidade Missionária Comboniana, da Igreja Católica. Essa comunidade foi fundada por Daniel Comboni, que deu a vida pela África e foi canonizado pelo Vaticano, tornando-se um dos santos da Igreja. Missionários Combonianos chegaram ao Brasil em 1952.


** 
Omar Pires Bruno foi morto a tiros de espingarda calibre 20, em 6 de novembro de 1985, quando levava comida para seus peões. Com ele também morria o capataz Ademar de Oliveira Souza, a tiros de revólver calibre 38. Os pistoleiros Deuzélio Fraga, 29 anos na época, e Altamiro Flauzino, 22, cumpriram pena em Cuiabá, condenados pela morte do padre. Mandantes do crime não chegaram a ser presos.


Conheça o martírio do Padre Ezechiele. Clique aqui

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

Colonialismo rides again. A cor do dólar.

Colonialismo rides again. A cor do dólar.

O BNDES vai realizar, entre os dias 19 e 23, a Semana BNDES Verde, com debates diários transmitidos pela internet. A abertura será feita, evidentement

Mentiras na ONU

Mentiras na ONU

"Nossa floresta [amazônica] é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior. Os incêndios acontecem praticamente nos mesmos lugares, no ent

Camponeses que tomaram a última faixa de terras em fazenda de Chupinguaia celebram um mês do Acampamento Manoel Ribeiro

Camponeses que tomaram a última faixa de terras em fazenda de Chupinguaia celebram um mês do Acampamento Manoel Ribeiro

Camponeses que ocuparam a última faixa de terras da Fazenda Santa Elina inteiraram domingo (20) o primeiro mês de vida do Acampamento Manoel Ribeiro,

Agora, lascou

Agora, lascou

Por causa de um corte de 60 milhões de reais, feito pela administração federal segunda-feira, o Ibama e o ICMBio retirarão das operações de campo 2,2