Porto Velho (RO) segunda-feira, 8 de março de 2021
×
Gente de Opinião

Montezuma Cruz

A impaciente, o candidato, o vendedor de coco e o velhinho


A impaciente, o candidato, o vendedor de coco e o velhinho - Gente de Opinião

MONTEZUMA CRUZ

Nesta quinta-feira, cheguei cedo ao Posto de Saúde Maurício Bustani, onde uma mulher irritou-se por ser acusada de furar a fila. Ela apenas procurava o caminho para a sala de Regulação e não disputava lugar algum noutra fila, para dentistas.


“Baixe sua voz, se enxergue, viu?”, ela ordenou. O queixoso impaciente calou-se.

Fui o terceiro numa das filas. Por volta de 8h15 chegou a minha vez e, numa só tacada, a moça da Regulação marcou diversos exames para amanhã (21/9) cedo, na Policlínica Oswaldo Cruz.

Dei-me por satisfeito, pois há mais de um ano desconheço a minha taxa glicêmica, consequências da taquicardia, situação da hérnia de disco, visão, rins, e a própria saúde mental. Às 9h40 já estava no Centro Oftalmologia da Avenida Calama, marcando consulta para os novos óculos. Na próxima semana, se Deus quiser, abandono a grife camelódromo da Rua Barão do Rio Branco.

Volto ao asfalto quente da avenida e leio o cartaz do candidato Da Silva, no vidro traseiro de um automóvel: “Me adote”. Concorrendo em diversas eleições, até agora ele não teve votos suficientes para ser um dos 24 parlamentares estaduais.

A impaciente, o candidato, o vendedor de coco e o velhinho - Gente de Opinião

Apressado, o ciclista vendedor de coco passa por mim, apertando aquela buzina estridente, mais forte que canto de galo de sítio. Subo a pé a longa avenida, no sentido bairro, deparando-me com uma locutora transmitindo quase aos gritos a inauguração de uma loja de tintas. Ah! O rádio que antes provocava o arrepio e tinha locutores de verdade, hoje parece hospício. Aliás, há hospícios mais calmos.

Em frente ao supermercado, ouço um velhinho dizer a um homem mais jovem: “Quando eu passar pelo sofrimento, vou pedir para o médico desligar os aparelhos”. A família precisa adotá-lo melhor, coitado.

Saí para me consultar e vejo essas cenas. Lembro-me que o médico Christopher Rosa me informou no ano passado a respeito de uma tal iatrogenia [doença com efeitos e complicações causadas como resultado de um tratamento médico]. Dizia-me que vem ocorrendo situações em que famílias deixam atender o doente, permitindo-se a agressões verbais e psicológicas, e quando isso ocorre entre pessoas de baixa renda, é grave.

Entrevistado por mim, ele revelou: “Até 2050 o mundo terá 131,5 milhões de pessoas convivendo com a demência em países de baixa e média renda, e até lá, um quinto do planeta será formado por idosos”.

E, a respeito de Porto Velho: “A cada semana a POC elabora um ou dois diagnósticos novos de demência e depressão. Dos 519 mil moradores desta Capital, 30 mil (5.78%) são idosos. Doenças crônicas controladas pelas equipes multidisciplinar e interdisciplinar aparecem em pessoas na faixa de 75 a 79 anos.

Assim, mesmo ouvindo o discurso do ódio na política, descambando para a ofensa ou julgando a quem nem sequer conhecemos direito, precisamos ser mais tolerantes, para merecer assim o direito de receber atendimento a tempo e hora, onde quer que seja.

Regra básica se quisermos alcançar “pelo menos” 70 anos de idade. A ansiedade e a depressão são inimigas, o restante tem jeito – até Rondônia e o País.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Montezuma Cruz

General Mourão anuncia a volta do ICMBio e do Ibama no combate ao desmatamento na Amazônia

General Mourão anuncia a volta do ICMBio e do Ibama no combate ao desmatamento na Amazônia

O combate ao desmatamento na Amazônia voltará a contar com a participação direta do Ibama e do ICMBio, até então alijados do seu papel constitucional.

“Não há reforma agrária, terras são regularizadas a grileiros”, denuncia Procurador

“Não há reforma agrária, terras são regularizadas a grileiros”, denuncia Procurador

Está em curso em Rondônia e no País a criminalização não só da luta pela terra, do movimento camponês, mas também de advogados que atuam na defesa d

Sonho do estado vem dos anos 1960

Sonho do estado vem dos anos 1960

O fluxo migratório quase incontrolável rumo à Amazônia Brasileira acelerou a instalação do Estado de Rondônia. Quatro décadas depois da chamada Marcha

Terça-feira tem ato de solidariedade contra a criminalização da luta pela terra

Terça-feira tem ato de solidariedade contra a criminalização da luta pela terra

O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos (Cebraspo) promoverá terça-feira, 22, às 15h, ato de solidariedade a camponeses e indígenas de Rondônia