Porto Velho (RO) quarta-feira, 21 de outubro de 2020
×
Gente de Opinião

Aroldo Vasconcelos

Enquanto isso, no centro do Brasil


Enquanto isso, no centro do Brasil - Gente de Opinião

Em dezembro desse ano completo 28 anos de moradia em Rondônia, com a minha família, vindos do nordeste para conhecer e trabalhar nas terras do Marechal; muito aconteceu nesse período. 

Um exemplo é o sonho da ligação de Rondônia e Acre com os mercados andinos, a chamada estrada para o pacífico.

Desde 1992 fala-se muito nesse grandioso projeto.

Adormeceu por mais ou menos oito anos e reviveu entre os idos de 2013 e 2015, mas com um incremento maioral: o projeto original da estrada veio a se transformar, na boca de muitos políticos numa idéia megalomaníaca de sair do mato grosso rasgando mais de 5 mil quilômetros até as praias do Peru. Imagine.

Uma obra faraônica, que se fosse exequível, possivelmente consumiria mais de 30 bilhões de reais e teria além das assinaturas de Brasília DF, quatro governadores e vários prefeitos e também de autoridades da República da Bolívia e do Peru.

Não é à toa mesmo que não consegue decolar, nem as estradas de asfalto e muito menos a estrada de ferro, tão promissores para o desenvolvimento regional do sul da Amazônia e dos países de língua espanhola, nossos hermanos.

Dizem no futebol que quem não faz gol: leva!

Pois bem, está em andamento no centro do Brasil outra rota que poderá reduzir muito a prosperidades de Rondônia, Acre e Amazonas.  

Estou falando dos projetos de parcerias privadas para a construção de um trecho de ferrovia que liga o Mato Grosso ao Goiás, sendo um novo trecho que sairá do município de Água Boa (MT) para avançar 383 quilômetros até a cidade de Mara Rosa (GO), onde vai se conectar ao eixo central da Ferrovia Norte-Sul. Essa obra dá início à prometida Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (Fico), por meio de um acordo já firmado com a Vale.... as obras começam em 2021 e devem ser investidos a bagatela de R$ 2,75 bilhões.

Na Bahia o ministério da infraestrutura já reservou recursos para a conclusão da ferrovia de integração do Oeste-Leste (FIOL) e ainda tem mais 933 Km de estrada de ferro que sai de Sinop no MT ao porto de miritituba no estado do Pará.

Vejam a dinâmica do transporte do agronegócio organizando suas metas de redução de custos, naturalmente o capital e o mercado procuram os melhores caminhos e, os mais curtos - desculpa o trocadilho.

As obras juntas devem levar 4 ou cinco anos, e consumirão possivelmente R$ 13,20 bilhões, dinheiro privado - isso mesmo, investimentos do capital no escoamento da produção o que significa que boa parte deverá migrar para esse novo corredor.

No futebol dizem que quem não faz gol, leva.

As bancadas federais do Acre, Amazonas, rondônia e do Mato Grosso nunca discutiram isso com maturidade e profissionalismo e tão pouco as federações patronais e as grandes empresas ali radicadas colocaram projetos alternativos e concretos para o escoamento como este que vemos aqui, no centro geográfico do país.

Caso não mudem suas estratégias, ou as lideranças, poderemos ver em breve um possível e sensível esvaziamento das riquezas agropecuárias que fluem pela BR 364 e seus modais complementares atuais.

E aqui faço um apelo aos empresários e políticos do sul da Amazônia: pessoal, está passando da hora de privilegiar estudos técnicos sérios que promovam de verdade o desenvolvimento sustentável dos negócios urbanos e rurais dessa região.

Abaixo as vaidades e a miopia, arriba a união e o trabalho pelas famílias da Amazônia.

Façamos juntos, por merecer, antes tarde do que nunca, não é mesmo?

Graça e Paz.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Aroldo Vasconcelos

A poesia humanista na vida de Francisco de Assis

A poesia humanista na vida de Francisco de Assis

Caros amigos e amigos leitores das minhas colunas semanais, e meus editores, amigos pacientes, quero pedir desculpas por meu silencio nessas ultimas

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Porque não um imposto único de verdade no Brasil?

Estamos chegando ao final do mês maravilhoso de julho de 2020, e, de novo, e de novo, vemos propostas de reformas sendo discutidas em Brasília DF e

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

A grande saída para o trabalhador pode ser as cooperativas

Esse final de semana saiu no BBC News que na Europa e também aqui nas nossas grandes capitais do sudeste o fato dos rendimentos caírem em média 30% e

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

O alto preço da prosperidade a qualquer custo

Muitos homens e mulheres, muitas tribos, cidades, nações e governos têm entrado para a história da humanidade. Existem inúmeros registros ao longo d